Home / César Magalhães / Camila Coelho é capa da edição de maio da revista Glamour

Camila Coelho é capa da edição de maio da revista Glamour

Contar as histórias e a História (com H maiúsculo mesmo) da Camila Coelho é uma das coisas que, sem falsa modéstia, fazemos de melhor. Você vê, quando a mineira de 29 anos ainda era promessa, lááá em outubro de 2012, fizemos seu primeiro perfil ever. Depois, em julho de 2013, veio a primeira capa. Agora, mais uma estreia: é nas nossas páginas que ela mostra sua primeira coleção para uma gigante do fast fashion. Isso aí. O ícone de moda virou estilista da Riachuelo. “Fazer uma coleção acessível sempre foi um sonho”, diz ela, ansiosa pelo dia 17, quando as 32 peças chegam a 120 lojas da marca, e data em que vai viajar pelo Brasil lançando suas criações. Aliás, realizar sonhos é com ela mesma. Começou como hostess num restô italiano para não depender dos pais, depois virou maquiadora numa das maiores lojas de departamentos dos EUA, onde vive desde os 14 anos. Hoje, no melhor enredo Cinderela, Camila é convidada VIP dos desfiles da grife para a qual trabalhava como maquiadora. Bom, mas isso você e outros 5,9 milhões de seguidores da moça já sabiam.

O que você não sabe e ela conta em primeira mão (ahá!) para Caio Braz, o apresentador mais inquieto do GNT, está neste papo delícia.

Vamos dar um passo atrás: por que você deixou o Brasil? Tinha um sonho ao sair de Virginópolis [cidade mineira que fica a 280 km de Belo Horizonte] para viver nos Estados Unidos?

Deixei o Brasil aos 14 anos, seguindo os passos da minha família. Não tinha sonho nenhum. Nem sabia quanto tempo ficaria por lá.

Ou seja, nada de american dream?

Meu foco sempre foi não precisar depender dos meus pais. Sinto que os EUA nos inspiram a ser independentes. Lá, ter um part-time job [trabalho de meio período] é supercomum para estudantes. E eu adorava sair da escola e trabalhar alguns dias da semana. Comecei como hostess em um restaurante italiano.

Quando você pensou: “Valeu, Deus, obrigada, arrasei!”?

Quando fiz a primeira capa de revista. E foi aqui! Sem dúvida, virou meu momento: “Obrigada, Senhor!”.

Você já fez algum procedimento estético?

Coloquei botox na testa uma vez. Pretendo continuar porque as ruguinhas já estão aparecendo. Também tenho vontade de fazer cirurgia no nariz. Quem sabe neste ano?

Qual profissão você preenche na fichinha do hotel?

Blogueira. Com orgulho!

Considerando que o mundo da beleza exige, em sua maioria, rostos jovens, como você enxerga o seu futuro nas redes? Existe uma idade-limite?

Penso todo dia no meu futuro. Quero continuar inspirando as pessoas de forma positiva, seja com posts, seja com vídeos ou outros tipos de conteúdo. Criar minha própria marca e escrever um livro também estão nos planos. Ser uma influenciadora digital é estar ativa em várias plataformas, e cada uma delas tem um público. Não acredito que haja um limite de idade para isso. Vejo muitas youtubers maduras, por exemplo, fazendo vídeos com interações bacanas.

Há quem diga que o YouTube é a nova televisão. Você concorda? Já pensou em uma carreira na TV?

A nova geração já não tem mais paciência para a TV. Ninguém quer esperar para assistir a algo. Mas, ó, eu adoraria ter um programa de TV!

De uns tempos para cá o mundo da moda evoluiu em termos de discurso. De que maneira suas redes sociais contribuem para a evolução do pensamento coletivo?

Meu mote é “share love”. Quando comecei, o que me incentivou a continuar foi ver que eu estava ajudando a melhorar a autoestima das meninas. Quero fazer com que as pessoas se amem. Acredito que, quando a gente se ama, vira automaticamente um ser humano melhor, mais bondoso e carinhoso.

E como você participa da luta das mulheres contra a misoginia?

Os tutoriais e os conteúdos de moda ajudam a elevar a autoestima e trazem um pouco desse empoderamento. Posso até não fazer posts e regram de certos acontecimentos, mas, sempre que tenho oportunidade, passo a mensagem de que nós, mulheres, somos poderosas, e do quanto é importante sermos independentes, confiantes e seguras. Sou o exemplo de que, quando a gente quer, basta trabalhar duro e ter foco para chegar lá.

Hoje a geração mais nova sofre com os efeitos da hiperconexão. Você já se sentiu oprimida pelo excesso de conexão ou pelo compartilhamento da sua vida?

Tem momentos em que me sinto, sim,  um pouco oprimida pelo excesso. De compartilhar tanto diariamente e estar sempre trabalhando. Por isso, respeito meu tempo off. Quando estou em casa, tenho um limite de horário: depois das 19 horas, tento me desconectar, fazer outras coisas com o Ícaro, ver amigos. E busco ir a Minas, no mínimo, duas vezes ao ano. Lá eu respiro diferente.

Qual conselho você daria a quem sonha em ter uma carreira igual a sua?

Ame-se em primeiro lugar e agradeça sempre. Quando somos genuinamente gratos, a vida se torna mais leve. E, claro, sonhe alto e acredite em você. Trabalhe, seja profissional e sempre um ser humano exemplar! Quando plantamos coisas boas, colhemos maravilhas! <3

Marido, empresário, fotógrafo extraoficial. Daria para passar o dia listando apostos para Ícaro Brenner, o da Cami, que conta aqui o que a gente ainda não sabe sobre ela

1. Se a Camila acordar com despertador, é mau humor na certa. Ela precisa sempre de uma horinha de silêncio pela manhã.

2. Um guilty pleasure: comer Nutella enquanto assistimos a séries e filmes.

3. Acho que ela já viu Diário de uma Paixão umas mil vezes.

4. A Camila é romântica, gosta de fazer surpresa, de agradar. Me escrevia muitas cartas na época de namoro e é muito carinhosa.

5. O maior motivo de briga: se começo a falar de trabalho quando já estamos indo dormir.

6. Cami é pisciana, chorona e sensível.

7. Hoje ela é econômica, mas já teve a época de gastona! Sempre tivemos conta conjunta e sabemos tudo dos gastos um do outro.

8. Camila é ótima jogadora de vôlei!

9. Ela tem mania de escutar música bem alto enquanto toma banho.

10. Fica estressada quando está com fome, não bebe álcool e cozinha bem. Meu prato preferido que ela faz é o fettuccine aos quatro queijos.

COM A PALAVRA, ALEXANDRE HERCHCOVITCH    

O estilista foi um dos primeiros a apostar no #GirlPower da nossa estrela. Por quê? Confira abaixo:

Assisti a uma entrevista da Camila na TV há alguns anos. Foi aí que comecei a prestar atenção nela. Sua habilidade de mudar de look e experimentar novos produtos e ideias me fascina. Camila tem uma mentalidade livre de preconceitos. Para mim, não é uma questão

de gostar ou não de blogueiras, mas de gostar de pessoas. Há sempre profissionais que se destacam em cada área – a Camila foi assim com os blogs. Ela aparece porque é extremamente profissional e muito querida. Por mais que nossos encontros sejam rápidos, eles são sempre intensos, interessantes e produtivos. Camila é uma mulher objetiva e decidida, sabe do que gosta, sabe o que é bom e sabe o que quer.”

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.Campos obrigatórios são marcados *

*